Como fazer um plano de Marketing Digital passo a passo

 Crédito: Edho Pratama

Receba artigos sobre trabalho quinzenalmente em sua caixa de entrada!

×

Percebo que muitos empreendedores têm dificuldade de começar a fazer um plano de marketing digital para sua pequena empresa, e que precisam de exemplos para ajudá-los nessa empreitada. Como sou professora do Curso de Marketing Digital para Produtores Locais em Belo Horizonte, escrevi esse post abaixo para ajudar donos de pequenos negócios a começar a fazer um plano de marketing digital, passo a passo. Esse plano foi pensado para empresas que ainda não pararam ainda para planejar a divulgação do seu negócio, e é uma setup inicial de trabalho digital. Depois disso há variados planos para o dia-a-dia da empresa, como ensinamos no curso. Esse passo-a-passo serve para criar o básico que você precisa de comunicação na internet, para trabalhar a partir daí.

Passo 1. O que eu quero que as pessoas comprem? Como ela deve fazer isso?

É preciso que esteja muito claro para a pessoa que recebe qualquer mensagem sua na internet (ou fora dela) o que exatamente você espera de ação dela (compre no site, assine a newsletter, vá até a loja, ligue, etc). Parece o óbvio do óbvio, mas te garanto que a grande maioria das empresas se perdem em jargões de negócio ou publicitários e esquecem do principal: pode ser que seja a primeira vez que uma pessoa está tendo contato com sua marca, ela precisa entender sem esforço nenhum exatamente o que você vende (ou espera que ela faça).

É pra ser simples mesmo. Quanto mais simples e direto, melhor. só nunca use “clique aqui”

Isso se chama Call To Action, ou Chamada para a ação, e deve estar em toda a sua comunicação, preferencialmente antes de textos longos, e repetidas vezes na mesma página. Parece exagero, mas você já teve a sensação de que as pessoas não leem tudo na internet? Porque é verdade, as pessoas não leem mesmo. Estamos atolados de conteúdo por todos os lados, então ser direto, claro, objetivo e repetir a informação não é demais.

Exemplos:
Ligue e marque sua hora em XXXX-XXXX
Compre pelo site e receba em até dois dias! Link XXXX
Inscreva-se agora com desconto de X% no link XXXXX
Vá até a nossa loja no endereço XXXX, mapa no link XXXXX

Passo 2. Crie uma métrica para isso

Uma vez definido isso, se for um link, eu sugiro que você use sempre um encurtador de URL que guarde estatísticas, assim você já começa a ter noção de quantas pessoas viram/se interessaram pelo que você vende. Eu gosto muito do Bit.ly porque além de estatísticas super fáceis de visualizar, ele permite que você personalize o endereço, então dá pra ser coisas como bit.ly/baixar-ebook-mkt-digital, por exemplo, que deixa bem claro o que vai acontecer quando a pessoa clicar no link.

Exemplo de estatísticas no Bit.ly

Por que eu considero isso o primeiro e segundo passos? Porque se você sabe onde você quer chegar, fica mais fácil decidir o caminho. Senão a cada hora você divulga um link diferente, passa uma mensagem diferente, e isso pode mais confundir o seu público e te atrapalhar do que fazer você vender. Além disso, quando você mede, você gerencia. Sem ter números na mão, você fica como uma pessoa sem bússola navegando um barco, sem saber o que fazer quando as coisas dão errado, porque você tem somente hipóteses, nenhum dado. Métricas são o que ajuda você a regular o curso da sua comunicação digital.

Isso é o começo da definição de KPI’s – Key Performance Indicator, ou Indicador Chave de Sucesso. Essa (ou essas) métricas que vão te ajudar a saber se sua comunicação está funcionando ou não. Eu já sei, por exemplo, que para cada 3 pessoas que clicam no link do E-book, apenas 1 baixa ele. Eu só consigo dizer isso porque sempre que eu divulgo o E-book, eu uso o mesmo link do Bit.ly que leva para uma página no meu site que explica o que tem nele. E tem um cadastro para baixar o e-book, portanto, eu consigo dizer a relação entre “pessoas que clicaram no link” versus “pessoas que efetivamente baixaram o e-book”.

Passo 3. Cadastre seu negócio no Google Meu Negócio

Se não está no Google não existe. Muita gente tende a acreditar nisso, e se elas jogam o nome da sua empresa no Google e ela não aparece, um ponto a menos de crença no seu negócio, menos chance de alguém comprar o que você vende. Mas como fazer para aparecer no Google? Há um conjunto de técnicas que usamos para isso, chamada SEO – Search Engine Optimization, ou Otimização para Sites de Busca. Essas técnicas são todo um campo de conhecimento dentro do Marketing Digital, mas há algumas dicas básicas que você pode começar a seguir, como usar alguns serviços do Google para fazer seu negócio aparecer. Uma delas é o Google Meu Negócio, que pode fazer sua empresa aparecer como na imagem abaixo quando alguém buscar pela sua marca ou pela categoria de produto/serviço que você vende.

Essa parte do lado direito só aparece porque cadastrei minha empresa no Meu Negócio

Esse cadastro é gratuito no Google Meu Negócio, você só precisa de um endereço e um telefone. Nem site é obrigatório, já que o próprio Google Meu Negócio ajuda você a criar um site super básico com as informações principais sobre sua empresa, até que você tenha seu site como você sonha.

Passo 4. Criação de um site – SEO e analytics

“Mas Ana, alguém ainda acessa sites?”, você pode me perguntar. Sim, todo mundo que navega na internet, todos os dias. A diferença é que pouca gente vai lá digitar o endereço do site da sua empresa, elas geralmente chegam até ele de outras fontes: buscas no Google pelo tipo de produto/serviço que você vende, por exemplo. Ou ainda, por links divulgados em Mídias Sociais e outras formas de divulgação.

Quando você quer comprar algo, onde vai? E quando clica no link, vai para um… site.

De qualquer forma, se você ainda não tem um site ou se você não sabe como alterar coisas nele (isso é uma empresa terceirizada ou freelancer que fez, por exemplo, e você depende deles para alterar qualquer coisa no site) mude isso hoje ainda. Seu site é como sua casa na internet, sua loja, sua empresa. Você não entrega a chave da sua casa pra qualquer pessoa, certo? Então por que faz isso com seu site? E o pior, por que você se tranca para fora da sua própria casa?

Eu recomendo usar uma plataforma que é super fácil de atualizar e é gratuita, você só paga pela hospedagem e domínio do seu site. O WordPress é a tecnologia mais usada no mundo para construção de sites de qualquer tipo e tamanho. O site do Guaja, por exemplo, é todo feito em WordPress. Dá pra criar até e-commerce usando WordPress. E dá para pessoas sem conhecimento nenhum de programação, apenas com disposição de ler, aprender e tentar fazer sozinho, criar um site em WP.

Dicas muito importantes:

  • Pense primeiro a experiência mobile do seu site (ou seja, como ele fica quando navegado por celulares e tablets) porque hoje a maior parte dos acessos a sites vêm de smartphones. Se a pessoa tem uma experiência ruim no celular, pouca chance dela comprar o que você tem para vender. Ao escolher o tema no WP, escolha um que seja responsivo, ou seja, que se adapte ao tamanho da tela da pessoa que acessar o site;
  • Instale o Google Analytics para acompanhar métricas no site – basta instalar um código no seu site para que o Analytics faça o acompanhamento, e é de graça;
  • Use o Google Search Console (antigo Webmasters Tools) para melhorar o ranqueamento do seu site no Google.

Passo 5. Criação de Presença Digital

Um dos aspecto super importantes para ser encontrado no Google é a quantidade e qualidade dos sites que linkam para o seu site.Ou seja: quanto mais sites linkarem para o seu site, maior a chance de você ser bem ranqueado no Google. Essa é apenas uma simplificação, já que existem muitas variáveis nesse processo (ensinamos mais no curso), mas a grosso modo eu recomendo que você cadastre sua empresa no máximo de lugares que fizerem sentido para o tipo de produto/serviço que você vende. Isso começa com Redes Sociais mas vai muito além. Idealmente você busca sites em que faz sentido que o seu site apareça (exemplo, se você tem uma pousada, tem que estar no Trip Advisor) e veja como é possível que você apareça lá.

Pense de quais lugares as pessoas podem vir querer parar no seu site.

Comece pelas Mídias Sociais mais usadas pelo seu público (Facebook, Instagram, LinkedIn, Twitter, outras) e depois fça uma busca pela categoria de produto ou serviço que você vende no Google (ex: restaurante em BH). Os sites que aparecerem nas três primeiras páginsa de busca são seu alvo, descubra como estar presente neles (sem ser via anúncios).

Passo 6. Criação de mailing

Muita gente acha que e-mail marketing morreu. Pois essas pessoas não poderiam estar mais enganadas. SPAM é muito diferente de uma estratégia bem pensada de e-mails marketing e newsletters, sejam aliadas à Inbound Marketing ou não. Contamos em detalhes essa diferença no curso, mas por enquanto o que você precisa focar é em construir uma base sólida de e-mails, o que chamamos de construção de mailing.
O jeito que eu considero ideal é que as pessoas já se cadastrem diretamente na ferramenta que for ser utilizada para envio de e-mails. Eu recomendo o Mailchimp: porque é a melhor ferramenta de envio de e-mail marketing do mercado e porque é grátis se sua lista é de no máximo 2000 pessoas.

Você cria uma lista no Mailchimp (ex: pessoas interessadas no curso), cria um formulário de inscrição (como o que pode ser visto acima) e coloca esse formulário no seu site, usa ele para cadastrar pessoas nos eventos de divulgação da sua marca, etc.

Use uma ferramenta profissional para e-mails e entregue exatamente o que seu cliente quer.

Assim as pessoas saberão que vão receber algo de você, e quando elas querem receber algo, elas abrem o e-mail, clicam nos links, e eventualmente compram seus produtos e serviços. O que não recomendo fazer nunca, nunquinha mesmo, é comprar um mailing de alguém e usar para mandar propaganda da sua marca. Isso é SPAM, e se você não gosta de receber, por que acha que mandar para seus potenciais clientes vai fazer você vender?

Passo 7. Planejamento periódico de ações

Essa é a parte que dificilmente eu conseguirei resumir em um post de blog. O Curso de Marketing Digital para Produtores Locais, além de ensinar mais sobre os tópicos que já discutimos nesse post, ensina também:

  • Criar um calendário editorial para blogs e redes sociais
  • Como fazer anúncios em Facebook, Instagram e Google
  • Criar Ações promocionais com parceiros
  • Planejamento e métricas em Marketing Digital

Se você ainda assim precisa de algo mais simples para começar, ou mesmo precisa entender a diferença entre Marketing, Comunicação e Publicidade, baixe o e-book grátis de Marketing Digital para Pequenos e Médios Negócios que tem 46 páginas para ajudar você a dar o pontapé inicial na comunicação digital da sua pequena empresa.

E se você gosta de cursos presenciais, temos os cursos presenciais de Marketing Digital para Produtores Locais e o de Mídias Sociais para Produtores Locais acontecendo regularmente em Belo Horizonte, aqui no Guaja. Eles acontecem mensalmente, veja mais informações nos links acima.

Precisando de ajuda para fazer o Marketing Digital do seu negócio você mesmo? Me manda um e-mail no [email protected]

Autor
Sou graduada em Publicidade e Propaganda, tenho um MBA em Gestão Empreendedora em Marketing Digital e tenho mais de 14 anos de experiência. Meu negócio é o Ainda Que Tardia (aindaquetardia.com.br), uma escola de cursos pra aprender a ser livre. Atualmente tenho dois cursos acontecendo: Mídias Sociais (guaja.cc/cursos/midias) e Marketing Digital (guaja.cc/cursos/mktdigital), ambos voltados para o pequeno empreendedor. Sou professora de pós graduação na PUC Minas e no UNIBH. Também faço cursos sob encomenda em outros lugares e sou palestrante.

Deixe um comentário

Para comentar você deve ter uma conta—só leva um minuto:

fazer login ou registrar-se
Inscreva-se agora:

Fique sempre atualizado sobre o GUAJA, assine nossa newsletter quinzenal—é grátis:

×