Consumo e solidariedade: eles podem andar juntos?

 

Receba artigos sobre cidade semanalmente em sua caixa de entrada!

×

Está chegando um dos períodos mais aguardados por lojistas e consumidores em diversos cantos do mundo: a Black Friday. No dia 29/11, muitas marcas vão reduzir os preços dos seus produtos e serviços em busca do aumento do consumo e consequentemente, da sua lucratividade. 

É verdade que essa pode ser uma ótima oportunidade de comprar aquele produtinho que você tava esperando entrar em promoção. Mas muitas vezes o que acaba acontecendo é que a gente compra o que simplesmente não precisa. Compra porque tá mais barato, porque é uma oportunidade única, porque vai que você vai precisar daquilo mais pra frente, porque é o certo a se fazer, porque, porque, porque…

Existem mil formas de justificar nossas ações, mas encarar a realidade delas é o melhor caminho. O estímulo às compras gerado pelas grandes ofertas acaba criando um consumo desenfreado. E isso vai para além de quanto gastamos ou temos pra gastar. O consumo em excesso está atrelado a impactos ambientais e sociais que dificilmente conseguimos calcular. E assim continuamos alimentando uma sociedade cada vez mais pautada no consumismo. 

E pra que que a gente tá falando isso tudo? Pra dar uma lição de moral? Claro que não. Afinal de contas, quem é que não ama aquele descontinho esperto, né? O que propomos aqui é uma reflexão.

Ao mesmo tempo em que o nosso olhar para o consumo tenha aumentado, nossa solidariedade tem diminuído. Infelizmente essa não é só mais uma frase de impacto. No mais recente relatório sobre a tendência de doação e caridade feita pela Charities Aid Foundation (CAF), os dados são bastante decepcionantes. O Brasil está posicionado em 122º lugar – entre 146 países – em relação a sua solidariedade com o próximo. Como se não bastasse estarmos em uma posição bem baixa, essa pesquisa ainda revela uma tendência crescente à não doação do povo brasileiro, já que no ano anterior estávamos em 75º lugar.

Esses dados são alarmantes e nos fazem pensar sobre as possíveis causas para esse comportamento. Talvez seja a crise econômica, talvez a falta de confiança em instituições do terceiro setor… Os fatores são muitos mas eles não se justificam se pensarmos que países em situações financeiras muito piores que a nossa estão melhores posicionados no ranking, como Serra Leoa (20º) e o Haiti (14º). Então o que fazer?

Tomar consciência desse comportamento é o primeiro passo. É realmente necessário comprar esse produtinho que você viu na promoção, ou é algo que vai te proporcionar uma alegria super passageira? As notícias não são positivas, mas em contrapartida um movimento de consumo consciente vem crescendo por todo o mundo. Pessoas vêm questionando cada vez mais o impacto do seu consumo e preferem comprar de marcas atreladas a um propósito, seja ele social, cultural ou ambiental. Essa é uma ótima maneira de continuar comprando enquanto você apoia iniciativas que estão alinhadas com o seu valor.

O segundo passo é pensar em formas de como você pode fazer mais para ajudar sua comunidade. Ao invés de comprar o que não necessariamente estamos buscando ou precisando, poderíamos enxergar esse período como um de oportunidade para fazer a diferença, e usar aquele dinheirinho que temos sobrando na conta para fomentar iniciativas de impacto social. 

É nesse cenário que surge a Crowd Friday, uma iniciativa criada pela Evoé paralela à Black Friday, em que diversos estabelecimentos e marcas direcionam parte dos seus lucros para projetos socioculturais de BH. A ideia é que você possa ajudar uma causa que você acredita sem dificuldade, sem tabus e enquanto se diverte. E já respondendo a questão do título: sim, consumo e solidariedade podem andar juntos sim!

A Crowd Friday funciona da seguinte maneira: os dias 29/11 à 03/12 várias marcas, empresas e estabelecimentos da cidade (incluindo o Guaja) se unem para um consumo mais consciente. Cada lugar propõe uma ação diferente para o consumidor. Para participar é só chegar, chamar a galera e aproveitar as experiências. Assim você não só valoriza o consumo local, mas também gera impacto positivo na sua cidade! Ah, e tudo isso enquanto se diverte com os seus amigos! 

Alguns dos projetos que você ajudará através do seu consumo na Crowd Friday são:

Lá da Favelinha

Transvest

Seu Vizinho

Espaço Comum Luiz Estrela

Lamparina Centro Cultural

Corpo Cidadão

Instituto HAHAHA

Ballet Jovem Minas Gerais

Casa de Gentil

Para conhecer todos os estabelecimentos e projetos participantes visite: evoe.cc/crowdfriday

Com uma Crowd Friday em cada esquina seria mais fácil alavancar o posicionamento do Brasil no ranking de solidariedade né? Haha.  Mas enquanto isso não acontece, pense em como você pode mudar a forma que consome e gerar um impacto positivo na vida das pessoas da sua comunidade. Por que juntos somos mais né.

Vamos juntos?!

Autor
A Evoé é uma plataforma de financiamento coletivo (crowdfunding) e mais do que arrecadar dinheiro para seu projeto, chegamos para cultivar e crescer a comunidade em torno do seu trabalho.

Share the love.

Se este artigo te fez lembrar de alguém, mostra pra elx!

Para comentar você deve ter uma conta—só leva um minuto:

fazer login ou registrar-se
Você vai gostar

procurando um serviço de impressão?

a Futura Express também está no GUAJA! Nossos novos parceiros oferecem entrega grátis todos os dias no GUAJA. conhecer a Futura Express