Savassi, cafés especiais e uma nano cafeteria

 Foto: Unsplash / Gold Coast Media Lab Helensvale Library

Receba artigos sobre comida semanalmente em sua caixa de entrada!

×

Belo Horizonte tem sido presenteada, nos últimos anos, com várias cafeterias legais, como a já clássica Academia do Café, no bairro Funcionários, e a OOP Café, localizada na Savassi. Nesta mesma Savassi, acaba de ser inaugurada a primeira nano cafeteria da cidade: a Copo Café. Ela funciona em um inacreditável espaço de 2 metros quadrados, em uma loja da Rua Antônio de Albuquerque, número 626, que antes abrigava um comércio de capinhas de celular.

A nano cafeteria, um empreendimento pioneiro no estado, foi fundada pelos barista e empresário Felipe Brazza e Bruno Taumay. A inspiração veio em uma viagem feita em 2014 à Seattle, uma das mecas do café especial. Segundo eles, a Copo Café é a menor cafeteria do mundo!

Uma única barista pilota todos os equipamentos neste pequeno espaço. Mesmo assim, são servidas por lá todas as bebidas de uma típica cafeteria: espresso (R$ 4,50), coado (R$ 3,50), cappuccino (R$ 7,00) e até mesmo uma curiosa receita à base de açaí, espresso e água de coco, batizada de açaína, vendida a R$ 9,00. Eles também oferecem algumas comidinhas, como bolo búlgaro da Deliceria e palitos de brownie. Fica faltando só um pão de queijo pro casamento ficar perfeito.

Os cafés especiais, feitos a partir de grãos selecionados, são servidos em copos biodegradáveis para viagem, uma forma de inserir a cultura do café especial na corrida rotina urbana. Então nem vale a desculpa de que está sem tempo para ir lá conhecer. Vai lá!

A cafeteria com seus incríveis 2 metros quadrados e a sua barista, Stephanie Tollendal

Você sabe o que são cafés especiais?

Estou aqui falando sobre cafés especiais, mas você sabe a diferença entre um café considerado especial de um café comercial, aquele que normalmente compramos no supermercado e consumimos em casa?

Primeiro você precisa saber que, assim como o vinho, o café também pode ser descrito por suas características sensoriais. Existe uma associação chamada SCAA (Special Coffee Association) que tem uma metodologia de avaliação conhecida em todo o mundo. Segundo ela, para que um café seja considerado especial, ele precisa ter uma pontuação mínima de 80, em uma escala que vai até 100. A avaliação é feita por especialistas e são considerados vários critérios como aroma, sabor, acidez e doçura.

Produzir um café especial não é uma tarefa fácil e por isso normalmente são mais caros que os cafés ditos comerciais. Um grande cuidado é demandado desde a sua colheita na fazenda até o processo de extração na cafeteria. Além de serem muito bons, os cafés especiais devem ser rastreados e respeitar critérios de sustentabilidade ambiental, econômica e social em todas as etapas do processo.

Leia mais:

Mito Cafés Especiais no cardápio do GUAJA

Autor
Engenheiro de Produção pela UFMG, empreendedor desde muito cedo. Já abri e fechei algumas empresas, mas minha grande paixão sempre foi a cozinha. Neto de padeiros, mergulhei fundo no universo do pão de queijo e do queijo artesanal. Sou um dos fundadores da A Pão de Queijaria. Inquieto, estou sempre me envolvendo em novos projetos ligados à gastronomia, como o Food Experience, o Travessia Gastronômica e outros que estejam por vir. Usarei este canal para compartilhar um pouco das minhas experiências e as tendências que observo neste incrível universo das comidas e das bebidas.

Share the love.

Se este artigo te fez lembrar de alguém, mostra pra elx!

Para comentar você deve ter uma conta—só leva um minuto:

fazer login ou registrar-se