Amor não basta para ser feliz a dois

 Os australianos Rick e Viv, 70 anos de idade e 50 anos de casados, na região do Cajón Del Maipo, no Chile. Eles seguiam viagem do país sulamericano à Antártida. Foto: Pedro Duarte

Receba artigos sobre amor quinzenalmente em sua caixa de entrada!

×

Estes dois aí da foto são o casal de australianos Rick e Viv, uma simpatia só. Cabelos brancos, joelhos enferrujados pelo tempo, sorriso no rosto. Tivemos desses encontros improváveis, no meio da Cordilheira dos Andes, poucos dias antes de voltar ao Brasil para celebrar o último casamento do ano. Precisei mudar o texto do casório por causa da nossa conversa, que ainda ressoa.

Na terça-feira em que os conhecemos, Pedro e eu estávamos naquela atmosfera romântica de um dia bom, com coração meio apertado pela proximidade do fim das férias. Seguimos na van para o Cajón del Maipo, nos arredores de Santiago, trocando carícias, beijinhos e risadas de piadas bestas contadas ao pé do ouvido. Rick e Viv, 70 nos de idade, 50 de casados, estavam no banco da frente.

Não falavam uma palavra sequer em espanhol e, numa parada da estrada, acabamos nos aproximando. Precisaram de ajuda para pedir um café, sem açúcar, por favor. Bastou pouco tempo para descobrirmos afinidades e menos ainda para revelarem que, ao nos verem, jovens e enamorados, lembraram do início do casamento deles, desconfiavam que também atravessaríamos décadas juntos.

Rimos muito, torcendo para que estivessem certos. Era lindo ver os dois, cúmplices de uma vida, quatro filhos, tantos netos, se aventurando no Chile rumo à Antártida. Rimos mais ainda quando contamos a eles que estávamos naquele grude porque vivíamos um dia bom, ao contrário do anterior, uma segunda-feira bem mais ou menos, abalada por interferências de humor, ou melhor, de mau humor.

“Volta e meia também temos uns dias péssimos. Tenho vontade de esganá-lo”, contou Viv, às gargalhadas, olhando para o marido. Rick logo emendou: “Casamento não é feito só de amor, é também feito de escolhas”;. A frase, vinda de um senhor amadurecido, soou como um alento. Tempos atrás, à custa de muita terapia, já havia chegado a esse ponto, só que de outro jeito. “Amor não basta. Ser feliz a dois é uma escolha”, escrevi.

Sempre me incomodei com a ideia de um amor romântico, de estar sempre nos braços do amado ou do famoso clichê “a gente se completa”. Essa versão é linda na teoria, mas muito pesada na prática. Relacionamentos são pequenos laboratórios da vida e ninguém vive só de amor. As pessoas seriam mais felizes se esperassem menos da relação.

O amor conjugal não está acima de tudo, mas no meio. No meio de alegria, de cuidado, de amizade, de tristeza, de ansiedade, de impaciência, no meio de bom e mau humor, de entretantos e poréns. No meio de dois corações. E, entre de tantas nuances, é preciso escolher estar junto de quem a gente ama, nos dias bons e nos outros também. O “sim” a gente diz é todo dia.

Autor
Jornalista e celebrante de casamentos na Amor Sempre Vivo. Acredito em três verdades absolutas: pessoas precisam ser ouvidas, histórias precisam ser contadas e a razão para nossa existência está em amar e ser amado. É por isso me tornei mais do que jornalista, uma jornalista que conta histórias de amor. Tive clareza desse propósito quando eu e Pedro celebramos nosso próprio casamento. Depois daí não parei mais. Aqui, a repórter dá vazão a tudo aquilo que faz o coração pulsar e mantém o amor sempre vivo.

1 thought on “Amor não basta para ser feliz a dois

  1. Perfeito seu texto! O “sim” precisa ser diário e o compromisso com a felicidade sempre renovado. Estou casada há 21 anos só por que abandonei a ideia do amor romântico, completo e complementar que meu casamento resiste; cheio de amor, mau humor, vontade de esganar o outro e alegria pela escolha acertada. Um beijo com a intensidade de carinho que seu texto emana!

Deixe uma resposta

Para comentar você deve ter uma conta—só leva um minuto:

fazer login ou registrar-se

Vão te interessar

16 novembro — cidades

A gente só muda quando a gente se encontra

por

O melhor da Dinamarca foi o Vinícius. É assim que começo a contar as lembranças das viagens que fiz. Na França, foi aquela senhorinha animada da
praça.

4 dezembro — amor

Celebrei meu próprio casamento e me tornei uma “padra”

por

Eu era o tipo de garota que não dava importância para casamento. Nunca acreditei em príncipe, achava que não me encaixava no protocolo da igreja e me sentia deslocada quando, vez ou outra, tentava me imaginar de véu e grinalda. Até o dia em que celebrei o meu próprio casamento.

21 dezembro — arte & cultura

Cicatrizes e vísceras de Marina Abramovic

por

Admitir as próprias inseguranças, falar de seus fracassos e expor o coração partido é o que torna “Pelas Paredes”, livro de memórias de Marina Abramovic, tão especial. Ao mostrar seu lado mais frágil, a autora parece se tornar íntima do leitor, uma espécie de amiga imaginária.

27 dezembro — amor + cidades + vida contemporânea

Nossos heróis LGBT de 2017

por

Em vários lugares ao redor do mundo, pessoas LGBT foram vítimas em 2017. Apesar de tudo, também testemunhamos o trabalho corajoso de pessoas resistindo ao ódio e lutando contra a intolerância. Olhando para este ano que chega ao fim, a All Out — movimento global que luta pelos direitos LGBT — apresenta oito ‘heróis’ ocultos de 2017, que lutaram com todas as forças pela igualdade.

Fique sempre atualizado sobre o GUAJA, assine nossa newsletter quinzenal—é grátis:

×