A fórmula mágica do sucesso

 A cura do aleijado e a Ressurreição de Tabitha, afresco de Masolino na Cappella Brancacci.

Receba artigos sobre tecnologia + vida contemporânea quinzenalmente em sua caixa de entrada!

×

Em um mundo cada vez mais tomado e regido pelo poder do algoritmo, muitas decisões tendem a ser tomadas a partir da análise de dados e metadados: a abertura de um negócio, aquisições milionárias, estratégias de campanhas publicitárias, organização de eventos e até encontros amorosos através dos apps de paquera.

Mas seria essa primazia dos números um fenômeno contemporâneo? O teórico e artista digital Lev Manovich faz um recorte interessante ao resgatar como o uso do cálculo e matemática são basilares no desenvolvimento da perspectiva renascentista — esta entendida como um sentido de profundidade e reorientação do olhar a respeito das coisas, do mundo e de seus fenômenos.

O recurso da perspectiva nas artes visuais criado na Renascença cria uma ilusão de realidade sobre a imagem pintada. Sentido imaginário inaugurado há mais de 500 anos. A perspectiva é a metáfora perfeita para as explorações e piratarias além-mar europeia que marcam o início do período moderno — ver além, ir além do limite costeiro. Lançar-se ao mar, às linhas paralelas que se encontrariam apenas no infinito. Ou não.

Sendo assim, fica a pergunta: hoje a forma e a velocidade com a qual as máquinas processam os números e algoritmos não seriam também uma espécie de ilusão?

Escola de Atenas, de Rafael

Veja o exemplo das últimas eleições presidenciais americanas em 2016. Todas as análises de dados indicavam com folga uma vitória fácil de Hillary Clinton. Mas quem levou foi Donald Trump. Onde foi então que esses números erraram?

A operação de dados esqueceu de considerar uma variável: a humana. Donald Trump venceu pois parece representar melhor uma figura singular e estruturante da lógica estadunidense — o homem médio branco, purista, nacionalista e averso a causa do outro, seja este outro um estrangeiro, uma mulher, um negro ou gay.

Sendo assim, podemos concluir que a verdadeira mágica tende a ocorrer pelo lado não previsto da equação, onde algo se deixa escapar. O que nos dá margem para pensar que tanto para o bem quanto para o mal, a certeza numérica pode se fazer abalar, e sempre se fará enquanto existirem no planeta seres falantes de carne e osso.

Portanto fica a dica: em uma próxima vez que se deparar com números, certezas e verdades estatisticamente provadas, deixe-se vacilar. E então você terá uma chance real de perceber a verdadeira magia operando. Isso sim será um sucesso.

Autor
Acredito na potência do desejo e como este pode nos localizar melhor na vida. A partir dele, cada um pode construir um caminho singular para si. No meu, tive o privilegio de poder me tornar professora universitaria, idealizar e ser sócia da HALLzE, ter morado em Detroit, fazer Mestrado/Doutorado e a partir disso continuar a pesquisar/pensar a respeito dos meus temas-paixão: psicanalise, cultura, artes visuais, cinema, videoclipe, fotografia e corpo.

Deixe um comentário

Para comentar você deve ter uma conta—só leva um minuto:

fazer login ou registrar-se
Mais da autora:

Fique sempre atualizado sobre o GUAJA, assine nossa newsletter quinzenal—é grátis:

×