WebSummit 2019: um manifesto por um futuro desejável

 WebSummit Lisbon 2019 Pavilion 1 Day 2 – Teqball

Receba artigos sobre futuro semanalmente em sua caixa de entrada!

×

De todos os festivais e conferências que já tive oportunidade de participar, no Brasil e no mundo, o WebSummit é o mais politizado e o mais humano. E isso faz um bem pro coração. É alentador saber que outras pessoas estão se ocupando das mesmas coisas que a gente. Não preocupando, porque já somos ansiosos demais pra dar conta de um peso morto, com o qual não fazemos nada. Lidar com notícias ruins, previsões apocalípticas e um passado que ainda é presente não é nada fácil, mas fica um tanto pior quando não colocamos as coisas na nossa medida. Do tamanho que podemos agir, na dimensão de resposta e impacto positivo que o mundo espera de nós.

Gosto muito da forma como o presidente de Portugal fecha o WebSummit todo ano. Virou um bom ritual. Ele conclama a audiência a entender o quão privilegiada é, por chegar até ali e, principalmente, por ter acesso a tanta informação relevante; e pede que a gente não deixe ninguém pra trás. Ninguém. E acrescenta: “sem medo do poder econômico, nem político. Sem medo da manipulação”.

Me desculpem os empreendedores e profissionais, mas coragem não é criar uma startup, nem propor algo inovador na empresa que você trabalha. Coragem, no mundo que vivemos, é confiar e ter esperança. É combater o cinismo, principalmente, em si mesmo. Todos os dias.

Katherine Maher disse em sua palestra que a Wikipedia não é uma enciclopédia, é um processo de confiança. E como CEO da organização, ela compartilhou conosco três fatores que tornam esse processo possível:

1. Conexão com propósito (nosso futuro comum)
2. Espaço que permite novas soluções (experimentos)
3. Compartilhamento de poder (conhecimento é poder)

Por isso, engana-se quem pensa que confiar é uma atitute passiva. Não é. Nesse caso, é o movimento de quem caminha em direção a um futuro desejável. Com clareza do que deseja, exercício constante de criar algo melhor e compartilhamento de aprendizados. Na dúvida do que é o “desejável”, recomendo seguir os princípios do Yancey Strickler, fundador do Kickstarter e criador do Bentoísmo (leiam sobre!). Só é desejável se leva em consideração: você, a humanidade mais próxima (amigos e familiares), a humanidade expandida (a sociedade global) e o planeta (as futuras gerações incluídas). Como diz o nome do livro recém-lançado pelo Yancey, esse poderia ser nosso futuro.

E se a realidade, as notícias e os outros te contradizem, isso não é um erro ou um problema. Segundo a maravilhosa Margrethe Vestager, futura vice-presidente da União Europeia, é assim que o mundo funciona. Perante as contradições, você precisa se manter firme e fazer o que acredita ser o melhor. O nome disso é esperança.

O WebSummit foi sobre muitas coisas, mas na minha humilde opinião, foi principalmente sobre isso. Ainda bem.

Gostou do artigo? Tem mais de onde veio esse. Ele é parte de uma série especial sobre o WebSummit 2019. Se quiser entender melhor e acessar os outros artigos disponíveis, dá um pulo aqui.

Autor
Tiago Belotte é fundador e curador de conhecimento no CoolHow – laboratório de educação corporativa que auxilia pessoas e negócios a se conectarem com as novas habilidades da Nova Economia. É também professor de pesquisa e análise de tendências na PUC Minas e no Uni-BH. Instagram: @tiago_belotte

Share the love.

Se este artigo te fez lembrar de alguém, mostra pra elx!

Para comentar você deve ter uma conta—só leva um minuto:

fazer login ou registrar-se