Hemingway em Paris: muitas histórias e muitos significados

 

Receba artigos sobre arte & cultura semanalmente em sua caixa de entrada!

×

Em “Paris é uma festa” o grande Hemingway tem a oportunidade de compartilhar uma visão muito particular a respeito de sua percepção sobre o viver na cidade luz.

A satisfação por escrever, o fazia passar por diversas situações que aparentemente eram difíceis, mas que se tornavam pequenas para ele pela realização de fazer o que amava. Em um trecho em que relata “Tu me pertences, toda Paris me pertence e eu pertenço a este caderno e a este lápis” sentimos o mergulhar do autor em sua arte e profissão. Em um estado de flow, entregue a uma satisfação que o preenchia por completo, esquecendo as horas que passavam e até mesmo da fome que muitas vezes enfrentava, ele permanecia embriagado em suas escritas. Ainda após a conclusão e no despertar de um trabalho, um misto de sentimentos tomava conta de si.

Em alguns momentos, em um diálogo interno, se consolava ao mesmo tempo em que buscava inspiração pelas ruas de Paris, o que acontecia de forma muito natural e constante.

Dentro de si encontrava os sentimentos verdadeiros e se punha a escrever com o coração, sendo somente honesto consigo mesmo, com suas palavras, deixando fluir e se entregando às escritas. Quando encontramos nosso propósito de vida e permitimos que ele flua dentro de nós, o fazemos com leveza e sem esforço. Foi então que ele se permitiu não pensar mais sobre o que escrevia, simplesmente o fazia.

Ao finalizar alguns trechos, celebrava sua conquista julgando-se livre mais uma vez para caminhar a esmo pelas ruas de Paris. Conduzindo na leveza do significado que ele dava para a sua experiência de vida “levava a si mesmo para passear”. Celebrar as pequenas conquistas nos faz ter ainda mais inspiração para novas etapas. E isso ele fazia mesmo em um simples passeio ou brinde. Nossa vida é feita de páginas reunidas e reconhecer a conclusão de cada uma delas se faz fundamental.

Em sua caminhada de praticar valores ligados a sua realização e satisfação, não havia desculpas. Na falta do dinheiro, a Shakespeare and Company tornou sua segunda casa. Embora existisse a timidez, o desejo e o amor foram mais fortes e o fizeram seguir. E como se o mundo conspirasse a seu favor foi acolhido e encorajado por Sylvia, a dona da livraria. Sylvia foi uma dos tantos personagens importantes que aparecem em sua história e que o fizeram refletir sobre sua vida e carreira. Mais uma vez ele nos traz algumas questões: como ter a clareza dos nossos objetivos é importante para agirmos em direção a eles. E quantas vezes somos acolhidas quando os compartilhamos com as pessoas ao nosso redor.

Em sua trajetória de encontros e conversas foi se conhecendo e permitindo simplesmente viver sua inspiração. À medida que vivia intensamente seu propósito as oportunidades e principalmente os aprendizados foram aparecendo.

Em alguns momentos ele traz a certeza, a crença de que iria alcançar o que desejava e isso o impulsionava a permanecer com determinação. Mesmo assim, independente do que acontecesse para ele, o que vivia bastava, afinal era feliz. A alegria com a simplicidade da vida preenchia com leveza a sua caminhada. Vivia a gratidão por estar onde estava e por compartilhar o que compartilhava. Isso bastava. Hemingway apresenta uma linda experiência de vida em um cenário inspirador recheada de lições sobre propósito, respeito aos seus valores e satisfação com o momento presente.

*”Paris É Uma Festa” é o título do mês do Clube do Livro do GUAJA (na segunda, dia 17, às 19h30). Inscreva-se para participar do bate-papo sobre a obra com a escritora Sabrina Abreu.

Autor
Sou executive coach, Professional and Self Coach e Leader Coach com certificações internacionais. Graduação em Psicologia com MBA em Gestão Estratégica de Pessoas. Master Practitioner em Programação Neurolinguística certificada pela Potencial International NPL. Head Trainer (Treinadora Comportamental). Consultora em Análise Comportamental e 360° na metodologia DISC. Empreendedora formada pelo SEBRAE com mais de 10 anos de experiência com Desenvolvimento de Pessoas, Líderes, Equipes e Organizações

Share the love.

Se este artigo te fez lembrar de alguém, mostra pra elx!

Você vai gostar

13 janeiro — arte & cultura

Ana Elisa Ribeiro: longe da torre de marfim

por

Aos 42 anos, Ana Elisa Ribeiro acabou de retornar de Paris, onde representou Minas Gerais na Bienal Internacional de Poetas de… continue lendo ▶︎

22 janeiro — arte & cultura

Clube do Livro do GUAJA começa com a biografia de Frida Kahlo

por

A partir de fevereiro, o GUAJA terá um clube do livro. E o primeiro título é "Frida, a biografia". Já que a leitura é um hábito… continue lendo ▶︎