Que belo ano para a música brasileira, hein, 2017?

 Letícia Novaes, do projeto Letrux. Foto: Flávio Charchar

Receba artigos sobre cultura semanalmente em sua caixa de entrada!

×

Dezembro chegou sem avisar, o ano passou sem a gente nem ver e todos sabemos que não foi fácil. Seja por questões políticas, econômicas, sociais ou por todas as batalhas pessoais encaradas ao longo dos últimos doze meses, a verdade é que está todo mundo torcendo pela chegada de 2018 e pela renovação energética que acompanha essa mudança de ciclo.

Massss, se tem uma coisa da qual a gente não pode reclamar em relação a 2017 é da quantidade de bons lançamentos musicais. Quantos discos legais foram lançados esse ano, nú! E quão diverso eles foram! As mulheres super representaram, o funk, o rap e o hip hop também, o pop, o rock, os sintetizadores, as letras profundas e reflexivas e também as leves e divertidas. Teve espaço pra tudo e todxs!

Então, para manter a tradição das listas de final de ano, fica aqui o TOP 10 com os melhores álbuns nacionais de 2017 na minha humilde opinião, organizados por ordem alfabética, por que eles são tão diferentes entre si que não me atrevi a elencá-los.

E como os lançamentos desse ano foram realmente numerosos e em boa parte relevantes, na sequência coloquei mais uma listinha com discos que, caso tenham passado batido por você, vale à pena conferir:

Melhores discos nacionais de 2017

Esú — Baco Exu do Blues

Galanga Livre — Rincon Sapiência

Heresia — Djonga

Letrux em Noite de Climão — Letrux

Oyá Tempo — Luiza Lian

Recomeçar — Tim Bernardes

Todas as Bandeiras — Maglore

Unlikely — Far From Alaska

Vem — Mallu Magalhães

Young Lights — Young Lights

Também vale à pena conferir

  1. Caravanas — Chico Buarque
  2. Regina — Nill
  3. Eletrocardiograma — Flora Matos
  4. Ottomatopeia — Otto
  5. A Gente Mora No Agora — Paulo Miklos
  6. Pajubá — Linn da Quebrada
  7. Beijo Estranho — Vanguart
  8. Praia Vermelha — Pequeno Céu
  9. Pelomenosum — Bernardo Bauer
  10. Tu — Tulipa Ruiz
  11. Machine Messiah — Sepultura
  12. A Última Palavra Feche a Porta — Plutão Já Foi Planeta
  13. Sinais do Sim — Paralamas do sucesso  
  14. Paroxismos — Gorduratrans
  15. Fodido demais — Do amor
  16. Espiral de ilusões — Criolo
  17. Taurina — Anelis Assunção
  18. Selvagem — Angela Ro Ro
  19. Pabllo Vittar — Vai passar mal
  20. Swing Veneno — Fiqueroas
  21. Rimas e Melodias — Rimas e Melodias
  22. Magnetite — Scalene
  23. Cosmos — My Magical Glowing Lens
  24. Cortes Curtos — Kiko Dinucci
  25. Bixa — As Bahias e a Cozinha Mineira
  26. Canções Para Depois do Ódio — Marcelo Yuka
  27. Modo Avião — Lucas Santtana
  28. Vida Aventureira — Bárbara Eugênia e Tatá Aeroplano
  29. Em Busca da Viagem Eterna — Bike
  30. Japonese Food — Giovani Cidreira
  31. Campos Neutrais — Vitor Ramil
  32. Não Tá Tudo Bem — Ops
Autor
Jornalista com especialização em crítica cultural pela Universitat Pompeu Fabra de Barcelona, já trabalhei na MTV Minas, na Globo SP e em diferentes produtoras de vídeo entre Belo Horizonte e São Paulo. Em 2014, criei a Chá Comigo, espaço que ganhou grande destaque pela comunicação e conceito diferentes de qualquer outra casa de chás. Mas, depois de três anos à frente do negócio, resolvi voltar com tudo para a área musical, minha grande paixão!

Share the love.

Se este artigo te fez lembrar de alguém, mostra pra elx!

Para comentar você deve ter uma conta—só leva um minuto:

fazer login ou registrar-se
Você vai gostar

Dia, noite, curso, treinamento…

O que você quiser a gente realiza. Faça seu evento no GUAJA! Reservar agora

Não sabe o que fazer em BH?

Resolvido! VEJA O GUIA