O Colapso de Tudo

 foto: série “Echoes of Lofoten”, de Hebe Robinson.

Receba artigos sobre trabalho + vida contemporânea semanalmente em sua caixa de entrada!

×

Parte do trabalho de pesquisa de tendências é pensar sobre tudo. Como diz Li Edelkoort, o que fazemos é uma arqueologia sobre o futuro. Entendemos o passado, interpretamos os sinais de hoje, e desenhamos cenários possíveis. Ler os sinais é tão simples quanto acompanhar o crescimento do número de candidatos em um curso universitário ou outro. E tão complexo quanto entender os motivos de fanfics de um romance entre Faustão e Selena Gomez terem virado um fenômeno.

Os sinais que temos sobre a sociedade de hoje são dos nossos principais pilares — democracia, liberdades individuais e tolerância social — correndo risco. São sinais do mundo se tornando um lugar horrível, definido pela barganha por recursos limitados e pela rejeição de pessoas de fora de nossos grupos imediatos. Se não encontrarmos maneiras de parar esse movimento, vamos eventualmente assistir a um colapso total da sociedade. Hoje, a rota do colapso tem dois caminhos prováveis: o esgotamento dos recursos naturais ou uma estratificação econômica extrema. Uma combinação dos dois também é possível.

O primeiro caminho do colapso já tem sido discutido há muitas décadas, especialmente quando falamos do esgotamento de recursos como lençóis freáticos, solos e florestas — todos que podem ser piorados com as mudanças climáticas. Mas, apesar de tudo, continua sendo utópica uma resolução no século em que estamos, simplesmente porque é mais caro resolver agora um problema que pode ser empurrado com a barriga.

O segundo, um pouco mais sofisticado, vem se desenhando com uma elite acumulando quantidades cada vez maiores de riquezas e recursos. E deixando pouco, ou quase nada, para os comuns, que existem em um número muito maior e sustentam o primeiro grupo com seu trabalho. Eventualmente, a população trabalhadora vai entrar em colapso já que não terá acesso a riqueza suficiente para existir. E sem a mão-de-obra, para continuar gerando riqueza e diferenciação social, a elite também entrará em colapso.

Os dois caminhos tratam de capacidade de carga — uma quantidade x de estresse que um recurso (natural ou humano) pode carregar a longo prazo. Se a capacidade é excedida, o colapso é inevitável. Claro, os dois caminhos são evitáveis. Precisamos tomar decisões racionais e dolorosas agora que nos direcionem para uma via completamente sustentável, com pleno acesso a riquezas e recursos. E aí vem a parte boa. Evitado o colapso, o que nos espera é o começo do infinito.

Autor
Com expertise em comunicação, design e mapeamento de tendências, entrego inteligência cultural para os projetos. Trabalho para ajudar marcas e organizações a entender e se envolver com a cultura contemporânea. Além de identificar tendências, adoto uma abordagem holística de interpretá-las e explicá-las. Através da conceituação do contexto social mais amplo das tendências, meus projetos e ativações ajudam meus clientes a acessar organicamente a cultura jovem. Participei em projetos para Telefonica (Espanha), KWS (Alemanha), Samsung, Motorola, MECA Inhotim, Oi, WGSN, Yunus Social Business, ThoughtWorks.

Share the love.

Se este artigo te fez lembrar de alguém, mostra pra elx!

Mais do autor: