O Colapso de Tudo

 foto: série “Echoes of Lofoten”, de Hebe Robinson.

Receba artigos sobre trabalho + vida contemporânea semanalmente em sua caixa de entrada!

×

Parte do trabalho de pesquisa de tendências é pensar sobre tudo. Como diz Li Edelkoort, o que fazemos é uma arqueologia sobre o futuro. Entendemos o passado, interpretamos os sinais de hoje, e desenhamos cenários possíveis. Ler os sinais é tão simples quanto acompanhar o crescimento do número de candidatos em um curso universitário ou outro. E tão complexo quanto entender os motivos de fanfics de um romance entre Faustão e Selena Gomez terem virado um fenômeno.

Os sinais que temos sobre a sociedade de hoje são dos nossos principais pilares — democracia, liberdades individuais e tolerância social — correndo risco. São sinais do mundo se tornando um lugar horrível, definido pela barganha por recursos limitados e pela rejeição de pessoas de fora de nossos grupos imediatos. Se não encontrarmos maneiras de parar esse movimento, vamos eventualmente assistir a um colapso total da sociedade. Hoje, a rota do colapso tem dois caminhos prováveis: o esgotamento dos recursos naturais ou uma estratificação econômica extrema. Uma combinação dos dois também é possível.

O primeiro caminho do colapso já tem sido discutido há muitas décadas, especialmente quando falamos do esgotamento de recursos como lençóis freáticos, solos e florestas — todos que podem ser piorados com as mudanças climáticas. Mas, apesar de tudo, continua sendo utópica uma resolução no século em que estamos, simplesmente porque é mais caro resolver agora um problema que pode ser empurrado com a barriga.

O segundo, um pouco mais sofisticado, vem se desenhando com uma elite acumulando quantidades cada vez maiores de riquezas e recursos. E deixando pouco, ou quase nada, para os comuns, que existem em um número muito maior e sustentam o primeiro grupo com seu trabalho. Eventualmente, a população trabalhadora vai entrar em colapso já que não terá acesso a riqueza suficiente para existir. E sem a mão-de-obra, para continuar gerando riqueza e diferenciação social, a elite também entrará em colapso.

Os dois caminhos tratam de capacidade de carga — uma quantidade x de estresse que um recurso (natural ou humano) pode carregar a longo prazo. Se a capacidade é excedida, o colapso é inevitável. Claro, os dois caminhos são evitáveis. Precisamos tomar decisões racionais e dolorosas agora que nos direcionem para uma via completamente sustentável, com pleno acesso a riquezas e recursos. E aí vem a parte boa. Evitado o colapso, o que nos espera é o começo do infinito.

Autor
Mineiro de Belo Horizonte e, atualmente, morando em São Paulo. Com formação pela Escola de Design da UEMG e especialista em Coolhunting pela Elisava em Barcelona, estou há mais de dez anos no mercado desenvolvendo projetos para moda, cultura, economia criativa e novos modelos de negócio. Acho que tendências servem para tudo, porque antes de qualquer coisa, falam sobre pessoas. E o que eu faço é ajudar as marcas a se tornarem as versões mais legais delas mesmas. Desenvolvi projetos para Telefonica (Espanha), KWS (Alemanha), Oi, Yunus Social Business, Guaja, Manoel Bernardes, Hometeka/Bimbon.
Mais do autor:

Para comentar você deve ter uma conta—só leva um minuto:

fazer login ou registrar-se

Vão te interessar

Workshop

Coolhunting

por

Pesquisa de tendências é uma maneira (dentre muitas outras!) de encontrar inspiração, ajudando a pensar novos produtos, serviços e experiências. O grande objetivo de observar tendências é guiar o processo de inovação.

9 Fevereiro — cidades

Conheça a trajetória do Carnaval de Belo Horizonte por Rafa Barros

por

Origens, transformações e novos rumos da folia em Belo Horizonte: o Carnaval é uma festa que “refloresceu” a partir da contestação política e hoje é uma das maiores do país — quem diria. Pescamos alguns trechos para entender ou mesmo se identificar com o movimento. Confira!

19 Fevereiro — vida contemporânea

2018 será feminino?

por

A gente se pega repetindo que o futuro é feminino. Em estampas, posts, hashtags, a expressão ganha força dentro e fora das redes sociais. Mas o que, afinal, queremos dizer quando afirmamos que o que há por vir é feminino?

19 Fevereiro — amor + arte & cultura + cidades

Carnaval: um movimento de existência e resistência

por

Cleu Oliver, o menino mais barra/barra que conhecemos, diretor de whatever na Perestroika e mais um tantão de coisas, compartilha com a gente a sua vivência no carnaval de rua e de luta de Belo Horizonte. É aquele balanção cheio de glitter e verdades que a gente respeita. Leia o texto de estreia dele no time de colunistas do GUAJA! Tem Catuaba, purpurina, Chapolim, Fora Temer, Bicicletinha, Ladeira Abaixo, Tico Tico, Angola, Barro Preto, Peixoto, Manjericão… Só lê.

Saiba antes de todo mundo sobre novos artigos, cursos e mais: assine nossa newsletter quinzenal—é grátis!

×