Planejamento de longo prazo é pura proatividade

 

Receba artigos sobre negócios semanalmente em sua caixa de entrada!

×

Proatividade é com certeza um dos comportamentos mais valorizados pelas empresas, selecionadores e gestores no mercado atual altamente competitivo e, cada vez mais, com períodos de instabilidade. Mas esta característica, de tanto ser valorizada e difundida, acabou por ser um pouco banalizada.

Algumas pessoas se confundem e acabam definindo pessoas como proativas aquelas que tomam a iniciativa para resolver um problema instaurado. Este comportamento, também muito importante para toda organização é caracterizado como reatividade, o ato de reagir após um acontecimento, o oposto da proatividade.

A proatividade é o comportamento de antecipação, está relacionado ao ato de evitar ou resolver um provável problema antes mesmo que ele aconteça. Da mesma forma, ajuda a criar e aproveitar oportunidades.

Por isso, é muito importante refletir sobre nossa empresa e algumas questões são essenciais:

  • O futuro está contemplado na visão da minha empresa?
  • Como queremos que seja o nosso setor?
  • O que estamos fazendo para isso?
  • Nossas análises de ambiente levam em conta os eventos futuros ainda tênues e quase imperceptíveis?
  • O horizonte de tempo do nosso planejamento estratégico ultrapassa cinco anos?
  • Esse planejamento contempla a construção de cenários?
  • As estratégias que construímos consideram novas preferências de consumo e novas ofertas?
  • Minha empresa gerou nos últimos anos inovações de ruptura?

Os planos estratégicos de longo prazo devem transcender os cinco anos, gerando visões de um futuro suficientemente distante, onde sinais e tendências se tornam realidade, surgindo oportunidades para sermos os atores da mudança – de preferência, um dos protagonistas.

As combinações destas visões podem nos gerar diversos cenários, que aumentam a complexidade das análises, mas multiplicam e enriquecem as nossas possibilidades, aumentando nossa capacidade de romper com os padrões e paradigmas do mercado.

Tem um negócio ou pretende empreender? Então você provavelmente quer saber quais são suas forças, fraquezas e oportunidades. Para isso, é preciso modelar seu negócio. Um Modelo de Negócios dá forma ao que sua empresa faz ou pretende fazer e, a partir dele, todos os principais aspectos do negócio são descritos e alinhados de forma a garantir a melhor execução possível.

No dia 09 de fevereiro, Lucas Moreira vem ao GUAJA para ministrar um curso sobre o Canvas Business Model, metodologia muito utilizada em grandes corporações e núcleos criativos. Para saber todas as informações e se inscrever, é só clicar aqui.

 

Autor
Fundador da Make it - Estratégia, Marketing e Inovação, tem mais de 15 anos de experiência na condução de Planejamentos Estratégicos e seus desdobramentos em empresas de grande porte, como USIMINAS, VALE e FIAT. Atua na conceituação e no desenvolvimento de produtos, serviços e novos negócios, trabalhando a Inovação de Valor a partir de pesquisas de mercado, estudos de inteligência de mercado e inteligência competitiva. Realizou a gestão de vários projetos na área de inovação com equipes multidisciplinares, promovendo treinamentos e workshops e lançando mão de um vasto repertório de metodologias. Atualmente, cursa o Mestrado Profissional em Inovação Tecnológica da UFMG com previsão de conclusão em 2019, é especialista em Gestão com ênfase em Marketing & Estratégia pela Fundação Dom Cabral, e possui Aperfeiçoamento em Gestão de Projetos pelo IETEC e em Controladoria & Finanças pela UFMG. É graduado em Engenharia de Controle & Automação pela UFMG. Pai de gêmeos, casado com uma psicóloga, filho de uma psicóloga e genro de uma psicóloga, gosta de pensar e explorar o futuro.

Share the love.

Se este artigo te fez lembrar de alguém, mostra pra elx!

Para comentar você deve ter uma conta—só leva um minuto:

fazer login ou registrar-se