Sua fome é real?

 

Receba artigos sobre gastronomia semanalmente em sua caixa de entrada!

×

Vivemos numa sociedade onde a comida é vista como forma de amenizar nossa inquietação: comemos para comemorar, comemos para sentir conforto e segurança, comemos na tentativa de afastar a tristeza, comemos porque sentimos um vazio-de-não-sei-o-que, comemos por comer, confundimos até mesmo sede com fome.

Perdemos a capacidade de escolher nossos alimentos e deixamos de ouvir os sintomas da fome real que o corpo emite. Em consequência, sobrecarregamos nosso sistema com comida e mais comida, acordamos e dormimos cansados, nos irritamos com facilidade, apresentamos digestão lenta e pouca disposição para o dia a dia.

Diante desse cenário de desconexão entre a mente, corpo e espírito, a indústria farmacêutica, sempre disponível para encontrar a pílula ou o alimento encapsulado que promete solução instantânea dos problemas relacionados à alimentação, propõe milagres: remédio para emagrecer, remédio para abrir o apetite, remédio para digerir melhor os alimentos, remédio para aumentar a capacidade metabólica, pílulas e mais pílulas diagnosticadas muitas vezes sem que antes nos sejam ensinados auto questionamentos básicos que nos permitem conectar com nossa fome ou minimamente entendê-la.

Além de a sociedade ter banalizado ato de comer, ela fomenta o consumo desmedido de comida, a ponto de o desperdício de alimentos ser algo visto por muita gente como absolutamente normal, ainda que pessoas ao redor do mundo morram diariamente por inanição.

Diante desse cenário, repensar nossa relação com o alimento é algo urgente. Do contrário, estaremos aprisionados a esse loop infinito que enriquece a indústria e fragiliza as pessoas.

Se alguém se identificou com esses sintomas que vêm da falta de conexão com nosso organismo, é hora de mudança!

Uma receita artesanal

Creme de leite low carb

Para sair da rotina e substituir o creme de leite, que muitas vezes conta com um teor alto de gorduras e “açúcar do leite”, conhecido como “lactose”, segue uma receita de creme de castanha de caju, que pode ser usado em receitas doces e salgadas, como mousses, doces, pastas.

Vale dizer que 100g de castanha tem 533 calorias, 43,9 g de gordura, 30,2g de carboidratos e 18,2g de proteína.

Esse creme é vegano, saudável e de-li-ci-o-so!

Quem vem?

Ingredientes

2 xícaras de castanhas de caju cruas, ou seja, sem sal e em seu estado natural.

Água filtrada ou mineral

Ah, esse creme costuma durar 5 dias se conservado hermeticamente fechado na geladeira.

Dica: caso não encontre castanhas cruas, não tem problema. Nesse caso, use as torradas e salgadas, bastando lavá-las bem para tirar todo o sal.

Como fazer

Cubra as castanhas com água e deixe de molho por pelo menos 6 horas ou até ficarem amolecidas. Se você tiver usado castanhas salgadas e torradas, comuns nas feiras e mercados, será necessário trocar a água duas vezes durante o período de demolho.

Escorra a água e bata as castanhas no liquidificador com 150ml de água filtrada até virar um creme homogêneo e está pronto!

Caso queira um creme mais consistente, adicione menos água. Vá testando o seu ponto de preferência, pois não tem segredo.

Vale temperar o creme de leite com sal e pimenta do reino moída na hora, para receitas salgadas, ou colocar temperinhos do seu gosto para as receitas doces.

Curiosidade

Com esse processo de demolho, além de deixar as castanhas macias o suficiente para serem processadas, o ácido fítico (fitato) é eliminado. Pra quem não sabe, esse ácido impede que nosso organismo absorva minerais como zinco e ferro.

Autor
Alou, aqui quem fala é a Carol Dini! Comecei a cozinhar por um acaso e descobri em razão disso um mundo inteiro de novas possibilidades. O que mais me fascina quando estou com a barriga no fogão são os ensinamentos que essa experiência, somada à boa mesa, traz sobre viver a vida. Digo aos amigos que cozinha é lugar pra dançar, tirar folga dos problemas, despir os preconceitos, adorar o novo, apreciar os detalhes, fazer do simples algo especial, afinar o paladar, testar nossos limites, inovar, meditar sobre o correr dos dias, associar olfatos, entender o corpo, reconectar com o universo, fazer da pimenta e dos problemas ardidos algo agridoce, fartar com novos cheiros, misturar sabores e brincar com as papilas gustativas. E do que mais a vida não é feita senão disso? Corte uma Cebola, puxe ela na Manteiga e sigamos juntinhos. =) Ah, se você quiser dicas culinárias, me encontre no instagram: @carolinandini

Share the love.

Se este artigo te fez lembrar de alguém, mostra pra elx!

Você vai gostar

17 fevereiro — gastronomia + vida contemporânea

A urgência do para sempre e o bolo fofo que você respeita

por

Entre o vestibular, o relógio biológico e a casa própria, quanto você conseguiu descobrir sobre quem realmente é? Aqui, uma receita… continue lendo ->

Gabriel Pereira: quando o amor de Deus é interpretado como intolerância às diferenças

por

Hoje vocês vão conhecer um pouco da história do Gabriel Pereira. Nascido em uma família muito religiosa, ele nos conta como o “amor… continue lendo ->